Criptomineradores crescem 83% em 2018

cryptojacking

A mineração mal-intencionada de criptomoedas superou o ransomware.

Aumentou em 83% o número de ataques de mineradores de criptomoedas. Foram 5 milhões de usuários atacados nos primeiros noves meses do ano. Em 2017, no número foi de 2,7 milhões. O principal vetor de infecção, segundo a Kaspersky Lab, foi a instalação e o uso de software de conteúdos não licenciados. 

A mineração mal-intencionada de criptomoedas, inclusive, superou o ransomware, a principal ameaça dos últimos anos. As vítimas aumentaram gradativamente durante o primeiro semestre de 2018. Em  março, que foi o pico, chegou a 1,2 milhão de usuários atacados por mês.

A investigação conduzida pelos especialistas da Kaspersky Lab procurou entender se havia correlacionamento entre os cenários regulatórios, os preços da energia elétrica nos dez principais países atacados por criptominers e os principais vetores de infecção das famílias de malware mais populares. 

Nem a legislação vigente, nem o custo da energia tiveram impacto significativo sobre a disseminação deste malware. Na verdade, a maior parte dos dispositivos foram infectados quando o usuário era induzido a instalar software pirata e conteúdo não licenciado. 

Evgeny Lopatin, especialista em segurança da Kaspersky Lab, afirma que:

“A correlação é clara: quanto mais fácil é distribuir software não licenciado, mais incidentes de malware para mineração de criptomoedas foram detectados. Resumindo, atividades que normalmente não são consideradas perigosas, como download e instalação de software questionável, sustenta o que, possivelmente, é a maior história de ciberameaça deste ano: o crescimento da mineração mal-intencionada de criptomoedas”.

Outras conclusões

  • O número de vítimas dos mineradores maliciosos aumentou mais de 83%, de 2,7 milhões em 2017 para 5 milhões em 2018.
  • O percentual de mineradores detectados em relação ao total de ameaças detectadas também aumentou de quase 5% em 2017 para 8% em 2018.
  • O percentual de mineradores detectados em relação ao total de detecções de software indesejados também está aumentando; de 9% em 2017 para 17% em 2018.
  • O número vítimas dos mineradores em dispositivos móveis também aumentou mais de cinco vezes, de 1,9 mil em 2017 para 10,2 mil em 2018.

Dicas para empresas e consumidores domésticos 

  • Sempre mantenha os software atualizados em todos os dispositivos. Para evitar que os mineradores explorem vulnerabilidades, é necessário usar ferramentas capazes de detectar vulnerabilidades automaticamente, além de baixar e instalar todas as correções;
  • Use uma solução de segurança confiável em seus dispositivos pessoais e não deixe de ativar os principais recursos, como o System Watcher, um inspetor de sistema;
  • Não ignore alvos menos óbvios, como os sistemas de gerenciamento de filas, terminais de ponto de venda e até máquinas de venda automática. O minerador que utilizou o exploit EternalBlue comprova que esses equipamentos também podem ser usados para a mineração de criptomoeda;
  • Use um controle de aplicativos para rastrear qualquer atividade maliciosa em programas legítimos. Os dispositivos especializados devem estar no modo de Negação Padrão. Use, uma solução de segurança, como o Kaspersky Endpoint Security for Business, para simplificar este processo;
  • Para proteger o ambiente corporativo, instrua seus funcionários e equipes de TI, mantenha os dados sigilosos separados e restrinja o acesso a eles.

O texto completo da História do ano de 2018: mineradores de criptomoedas pode ser lido neste link.

Compartilhar este artigo

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Posts Relacionados

Rolar para cima
Posso te ajudar?
AllEscort