Em entrevista, Kaspersky fala sobre as novas ameaças

Em entrevista, Kaspersky fala sobre as novas ameaças
5 (100%) 2 votes

ciberguerra

Durante o Congresso Mundial de Celulares (MWC) em Barcelona, o CEO da Kaspersky Lab falou sobre as novas ameaças e os novos riscos para a estabilidade do mundo, tais como ataques cibernéticos nas eleições e atos de ciberguerra.

Resumo da Entrevista publicada no site da IstoÉ Dinheiro.

  1. Logo no início da entrevista Eugene Kaspersky distingue um ciberataque contra uma eleição de um ataque específico a um determinado candidato a fim de obter informações comprometedoras que possam influenciar no resultado. Um ciberataque às eleições refere-se a um ataque aos sistemas informáticos eleitorais com o fim de mudar o resultado de uma votação. Ele admite esse risco, no futuro, à medida em que os sistemas eleitorais se digitalizam.
  2. A seguir, compara ataques contra infraestruturas de países com ciberterrorismo. Lembrou dos ataques contra a rede elétrica na Ucrânia, Internet na Estônia, hospitais ou a petrolífera estatal Saudi Aramco.
  3. Diz que os governos têm consciência dos riscos que as infraestruturas críticas sofrem, mas nem todos estão agindo. Alemanha, Cingapura e Israel são exemplos citados dos que já fizeram algo.
  4. Destaca a importância de aplicação de normas internacionais e diz que trabalha neste sentido, tentando convencer os Estados.
  5. Diz não acreditar muito na possibilidade de uma ciberguerra envolvendo Estados. Os países, segundo ele, temeriam sofrer retaliações. Admite que a sua percepção por estar equivocada. O verdadeiro risco provém, acima de tudo, do ciberterrorismo. Há engenheiros talentosos e dispostos a realizar esses tipos de ataque.
  6. Até o momento, diz que que as ameaças mais sofisticadas envolvem principalmente a cibercriminalidade e a espionagem. O local de ondem partem atos cibercriminosos é difícil saber, mas é possível dizer em qual língua foram realizados. A ciberespionagem é feita sobretudo em inglês, russo e chinês simplificado.

Posts relacionados

Se foram os russos, será difícil fazer identificação individ... Para Kaspersky Lab alegações dos EUA são difíceis de serem comprovadas. As alegações de Washington de que a Rússia esteve por trás dos ciberataques c...
Entrevista com Eugene Kaspersky Repórter do G1 viajou para Moscou a convite da Kaspesky Lab e entrevistou o CEO e fundador da empresa. Resumão da entrevista com Eugene Kaspersky: ...
E se a sua webcam estiver sendo espionada? De acordo com pesquisa da Kasperky Lab, usuários não confiam em sua webcam, pois frequentemente são usadas para espionar o proprietário do dispositi...
Eugene Kaspersky concede entrevista a VEJA Em entrevista a VEJA, especialista diz que hackers estão insensíveis ao sofrimento humano. No dia 23 de junho de 2017 o CEO e fundador da Kaspersky...
Três maneiras de proteger máquinas virtuais Proteger ou não proteger máquinas virtuais? Essa era a pergunta feita por muitos. Mas a resposta sempre foi a mesma: proteger. A questão mais crucial...
Kaspersky Lab comemora 20 anos Em texto inspirador, Eugene Kaspersky fala dos 20 anos de fundação da Kaspersky Lab. Chegamos aos 20 anos no mercado – muito tempo ou nem perto disso...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *