Os riscos do Microsoft Office

Levantamento realizado pela Kaspersky Lab mostra que o Microsoft Office é um dos principais alvos de exploits.

Na última segunda-feira a Kaspersky Lab divulgou estudo sobre a evolução das ameaças na Internet. O Microsoft Office foi apontado como um dos mais visados programas para exploração de vulnerabilidades.

No primeiro trimestre de 2018, a quantidade de exploits utilizados para infectar usuários do Office foi quase 50% maior do que a média de todo ano passado.

Exploits são programas maliciosos capazes de explorar vulnerabilidades de outros programas. Ataques baseados em exploits são muito eficientes, pois não exigem interações com o usuário, sendo capazes de entregar código perigoso discretamente, sem que o usuário perceba.

Segundo o levantamento, 47% dos usuários pesquisados foram infectados a partir do Microsoft Office, seguido de navegadores (24%) e Android (21%).

Isso demonstra que a falta de atenção em relação ao gerenciamento de correções é um problema persistente. Embora os fornecedores lancem correções de vulnerabilidades, muitas vezes os usuários não atualizam os seus produtos a tempo. Tão logo as vulnerabilidades são expostas à ampla comunidade de cibercriminosos, em pouco tempo começam os ataques.

O estudo procura esclarecer qual o caminho seguido pelo agente malicioso: quando uma vulnerabilidade é descoberta, programadores preparam um exploit, bem como um ataque spear phishing, que consiste numa técnica de phishing direcionada a um alvo específico. Quando o usuário “cai” na isca, que é a mensagem falsa, o programa malicioso é instalado no computador, causando os problemas que já conhecemos.

Outras estatísticas sobre ameaças do relatório do primeiro trimestre/2018:

  • As soluções da Kaspersky Lab detectaram e evitaram 796.806.112 ataques maliciosos em 194 países no mundo inteiro;
  • 282.807.433 URLs foram reconhecidas como sendo maliciosas pelos componentes de antivírus da Web;
  • Tentativas de infecção por malware com o objetivo de furtar dinheiro por meio do acesso on-line a contas bancárias foram registradas em 204.448 computadores de usuários;
  • O antivírus de arquivos da Kaspersky Lab detectou um total de 187.597.494 objetos maliciosos e potencialmente indesejados;
  • Os produtos de segurança de dispositivos móveis da Kaspersky Lab também detectaram: 1.322.578 pacotes de instalação maliciosos; 18.912 trojans bancários para dispositivos móveis.

Para mais informações, leia o relatório da Kaspersky IT threat evolution Q1 2018.

Compartilhar este artigo

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Posts Relacionados

Rolar para cima
Posso te ajudar?
AllEscort